Quinta, 14 Dezembro 2017

Facebook

Vídeo

Saúde, Previdência e Segurança

Secretaria de Saúde, Previdência e Segurança


O trabalho do bancário não pode ser sinônimo de sofrimento, doença e morte. É importante que todos tenham informações suficientes para transformar as condições do ambiente de trabalho, eliminando os fatores que prejudicam a saúde. É preciso fiscalizar itens como ruído, temperatura, iluminação, qualidade do ar, eletricidade, higiene, instalações contra incêncio e, principalmente, o mobiliário e os equipamentos de trabalho, que, junto com a extrapolação da jornada e o trabalho sob pressão, são os principais provocadores das Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trababalho (Dort).

Por isso o Sindicato coloca à disposição de todos os bancários a Secretaria de Saúde, Previdência e Segurança. Todos os dias, das 9h às 18h, os interessados podem procurar o Sindicato (Rua Maestro Felício Toledo, 495 - sobrejoja. Telefone 2717-2157) para informações sobre prevenção, orientações sobre direitos, acompanhamento no contato com o INSS e assistência jurídica.

 

Emissão do CAT

O Sindicato fiscaliza e exige do banco, quando necessário, a emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), documento que informa ao INSS que o bancário adquiriu doença profissional ou foi vítima de acidente de trabalho. Com o CAT, todo trabalhador assegura o direito de afastar-se do emprego para tratamento médico, de receber benefícios como o auxílio-doença-acidentário, e de ser readaptado para exercer outras funções, caso a doença adquirida o tenha incapacitado de realizar as tarefas que executava. A CAT também dá ao trabalhador 12 meses de estabilidade, após a alta médica do INSS, caso seja confirmado o nexo causal.

Os principais sintomas das LER/Dort são sensação de peso e cansaço no membro afetado, dores, formigamento, fisgadas, choques, inchaços, rubor, calor localizado, rangidos, dormência e perda da força muscular.

Para tratamento, o afastamento do trabalho é a medida mais importante e obrigatória, acompanhado do uso de medicamentos, fisioterapia, acupuntura, laser e exercícios de relaxamento. As principais ocorrências relacionadas às LER/Dort são tenossinovite, tendinite, epicondilite, síndrome de túnel do carpo, cistos sinoviais, bursite, dedo em gatilho, síndrome do desfiladeiro torácico e distrofias simpático-reflexas.

 

Assaltos

Os bancos investem pouco em segurança, deixando bancários e clientes à mercê de assantaltes. A ameaça de armas de fogo e a violência atingem profundamente o emocional dos bancários. O decreto 3.048 de 1999 da Previdência Social reconhece como acidente de trabalho o "estresse agudo pós-assalto". Por isso, o Sindicato deve ser imediatamente informado sobre crimes nas agências, para assegurar que o nome de todos os funcionários presentes conste no boletim policial.

 

Como proceder em caso de assalto:

1) Mantenha a calma e acredite que a arma do bandido é verdadeira e está carregada. 
2) Obedeça os ladros, o que reduz as chances de agressão. 
3) Evite olhar fixamente para os assaltantes, que temem ser reconhecidos. 
4) Não revide a violência, nem discuta com os criminosos. Há sempre mais de um deles em ação. 
5) Se houver disparo de arma, abrigue-se ou deite-se imediatamente no chão. 
6) Não pense em atos heróicos. A ação individual não resolve. 
7) Acione o alarme somente depois da saída dos assaltantes.

 

Assédio

Os bancários convivem com dois tipos de assédio: o sexual e o moral. As duas situações podem desenvolver transtornos mentais e do comportamento, que nascem nas ameaças de perda do emprego e desacordo entre chefes e colegas. O decreto 3.048 da Previdência Social enquadra o efeito dessa agressão psicológica como doença do trabalho

- Sexual: as mulheres são as principais vítimas, pois estão em funções subalternas. O dano à saúde psíquica pode ser irreparável, levando até à incapacidade para o trabalho. As vítimas adquirem sentimentos de desconfiança, culpa e baixo auto-estima.

 

O que fazer: 
1) Rompa o silêncio. Diga "não" ao assediador. 
2) Conte aos colegas de trabalho o que está acontecendo. 
3) Reúna provas, como bilhetes e presentes. 
4) Leve o problema ao Sindicato, ao setor de Recursos Humanos do banco e registre queixa na polícia. 

 

Moral: é a degradação deliberada das condições de trabalho pelas atitudes e condutas negativas dos chefes. A vítima é isolada do grupo sem explicações, é hostilizada, ridicularizada e desacreditada ante os colegas. Portadores de LER/Dort, por exemplo, são alvos preferenciais ao retornarem da licença médica. A humilhação repetitiva e de longa duração compromete a identidade, dignidade e relações afetivas e sociais do assediado. Danos graves à saúde física e mental podem evoluir para a incapacidade no trabalho.

 

Como reagir: 
1) Resita, anotando com detalhes as humilhações e procurando a ajuda dos colegas. 
2) Evite conversar com o agressor e exija, por escrito, explicações das atitudes dele. Fique com cópia da carta enviada ao Recursos Humanos e da eventual resposta do assediador. 
3) Denuncie o caso ao Sindicato. 
4) Busque apoio na família, amigos e colegas. O afeto e a solidariedade ajudam a recuperar a auto-estima e a dignidade.